CopyPastehas never been so tasty!

As denúncias contra o Governo são crescentes e cotidianas

by anonymous

  • 0
  • 0
  • 0
91 views

Opinião

CARLOS ARANHA

 

caranha@terra.com.br

 

Publicado no "Correio da Paraíba",

edição de 18 de junho de 2013 

 

MAIS VAIAS VIRÃO

 

Já li em jornais, blogs e redes sociais, diferentes interpretações sobre a vaia que quase todo o público do Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília, deu em Dilma Rousseff. A mais equivocada de todas é a comparação com a vaia que Lula, ainda presidente, levou no Maracanã. Dizem esses intérpretes que logo tudo foi esquecido e Dilma vai sobreviver ao episódio.

Esquecem que: 1º) - o clima no Brasil era diferente deste país que não mais suporta ver tanta impunidade, tanta corrupção e o retorno progressivo da inflação, que aumentou mais justamente com a Copa das Confederações; 2º) - não existiam redes sociais naquela época que repercutissem, até internacionalmente, a vaia que Lula levou; agora, não: Dilma está completamente em foco, sem poder desaparecer; 3º) - Lula tinha uma popularidade solidificada em cinco eleições presidenciais que disputou, com três derrotas e duas vitórias, e um inegável carisma; Dilma foi empurrada por Lula e é uma presidente antipática, repassando autoritarismo para alguns milhões de pessoas e incompetência para outros milhões; 4º) - a vaia em Lula não foi num momento de crise; a vaia em Dilma foi quando o país sinalizou, a partir de jovens estudantes, que deseja mudança (não quer mudancinha, não); 5º) - a vaia em Lula foi quando o PT ainda tinha credibilidade plena em setores da classe média; a vaia em Dilma coincide com o PT considerado como um partido “igual ao PMDB, ao PSDB”...

As manifestações de ontem em várias capitais impressionaram com a entrada de Belo Horizonte no cenário, com muita força. A história do Brasil prova que quando Minas Gerais entra é porque o poder central está fragilizado.

O recado da vaia em Dilma foi óbvio: o povo brasileiro não está carente de futebol (por sinal, com uma Seleção que não convence), mas de hospitais públicos, de educação, de lazer democratizado, de segurança.

Quem vaiou Dilma Rousseff faz parte de uma população que acompanha as denúncias crescentes contra o governo, cotidianas e insistentes, mas sem respostas. Virão mais vaias.

 

@ CARLOS ARANHA é jornalista e escritor

Add A Comment: