CopyPastehas never been so tasty!

Quando separa-se Jesus do Cristo

by anonymous

  • 0
  • 0
  • 0
95 views

Opinião

CARLOS ARANHA

 

caranha@terra.com.br

 

Publicado no "Correio da Paraíba" de 29/3/2013,

edição da Sexta-Feira Santa

 

JESUS COMO SER HUMANO

 

Lembro hoje a cena da crucificação no Evangelho de São Marcos. Irineu afirmou que Marcos era o Evangelho escolhido por aqueles que “separam Jesus do Cristo”. Isso não é surpresa para os que conhecem bem esse Evangelho, pois nesse relato, na cena do batismo, está realmente escrito que o Espírito “entrou” em Jesus e, ao fim de sua vida, na cruz Jesus exclamou: “Deus meu, Deus meu, porque me abandonaste?” - ou mais literalmente, “por que me deixaste para trás?”.

(Isto me lembra um dos momentos marcantes do filme “Life of Pi”, de Ang Lee. A cruz de é o barco que ele divide com um tigre, náufrago no Oceano Pacífico. Num momento em que Pi duvida de quase tudo, em meio a uma tempestade, ele olha para o céu cheio de raios e pergunta a seus três deuses em um só: “O que querem de mim? Perdi minha família, já perdi tudo!”. Creio que se Ang Lee filmasse “A vida de Jesus” seria bem mais profundo que o “ateu-cristão-marxista” Pier Paolo Pasolini e outros cineastas).

Um dos maiores estudiosos da Igreja primitiva e da vida de Jesus (talvez o maior), Bart D. Ehrman, em “Vencedores e perdidos” - terceira parte de seu excelente livro “Evangelhos perdidos” - lembra que alguns gnósticos interpretavam o versículo de Marcos como indicador de que o Cristo havia deixado Jesus a enfrentar a morte sozinho. O Evangelho Gnóstico de Filipe, por exemplo, interpreta as palavras da seguinte forma: “Foi sobre a cruz que ele disse essas palavras, pois foi ali que ele se dividiu”. Ehrman destaca que reconhecer a interpretação gnóstica do versículo pode ajudar a explicar porque as palavras vieram a ser mudadas em alguns manuscritos, onde, em vez de exclamar “por que me abandonastes?”, Jesus pergunta: “Deus meu, Deus meu, porque zombaste de mim?”.

No entanto, sigo a correta tradução das palavras em aramaico “Eloi, Eloi, lema sabachtani?”, como frisa Ehrman. “Deus, ó Deus, porque me abandonastes?”. Devemos dar importância a que o Verbo se fez carne. Ao fato de que Jesus experimentou o sofrimento totalmente como ser humano, sem qualquer socorro divino que poderia ter tido como o filho de Deus. Ele sofreu como qualquer um de nós. É o que sei refletir para esta Sexta-Feira Santa.

 

@ CARLOS ARANHA é jornalista e escritor

Add A Comment: